Tebas: a lenda, o homem e a alegoria

Foto Abílio Ferreira.jpg

Prof. Abilio Ferreira

Abilio Ferreira é escritor e jornalista, especialista em Cidades, Planejamento Urbano e Participação Popular pela UNIFESP e mestrando no Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades da FFLCH/USP. Organizou o livro Tebas: um negro arquiteto na São Paulo escravocrata (abordagens), lançado em março de 2019, e coordena o Instituto Tebas de Educação e Cultura, bem como o Movimento pela Preservação e Valorização do Sítio Arqueológico dos Aflitos, no bairro paulistano da Liberdade.

Ementa

O curso livre Tebas: a lenda, o homem e a alegoria tem por objetivo discutir o significado da recuperação da voz silenciada do negro arquiteto Joaquim Pinto de Oliveira (1733-1811), apelidado de Tebas pela população paulistana do século XVIII.
 

Ao dialogar sobre o silenciamento, recentemente rompido, de um personagem fundamental para a produção da maior cidade do país, o público participante mobilizará diferentes campos do conhecimento, ancorados na experiência prática por nós acumulada como habitantes do espaço urbano. 

Conteúdo

O curso é estruturado no diálogo estre três obras: o romance Tebas, o escravo (Nuto Sant’Anna, 1939), o samba Tebas, o escravo (Geraldo Filme, 1974) e o livro de ensaios Tebas: um negro arquiteto na São Paulo escravocrata (Abilio Ferreira, 2018). Nesse sentido, há um alinhamento mais evidente com o projeto descolonial na proposta de abordagem presente no título do livro de 2018, que suprime o tratamento “escravo”, além de posicionar o termo “negro” antes da profissão exercida pelo personagem. Outras camadas do referido alinhamento estão presentes nos cinco artigos constitutivos do livro, que desconstroem o estereótipo de excepcionalidade e de isolamento com o qual Tebas vinha sendo representado até então.